terça-feira, 4 de julho de 2017

Apontamentos: O Anjo da Vitória (José de Abreu e as Missões)



27/6 – PURIFICACION: José Artigas a André Artigas, informando que recebeu informações de uma expedição portuguesa que saiu do RJ. Consequência das primeiras informações de Maldonado, a 20 desse mês. Daniel Wittaker.

(...)

15/7 – PURIFICACION: Instruções de ARTIGAS a ANDRESITO:
[Purificación, Julio 15 de 1816.]
/Con este marcha el Teniente Riquelme dela Division de Berdun. Esta ya marcha á cituarse en el Quarrey esperando la ora y el dia señalado para atacar como lo harán las otras Divisiones en los demas puntos dela Linea.
Como la Division, q.° se forme en Yapeyú ha de obrar de este lado de Sta Maria he mandado á dhó RIQUELME p:'q.° con SOTELO, y demas q.° se reunan en aq.' punto lo apronten todo y alisten la gente p." el dia q. se  les señale EL REPASO DEL URUGUAY,q.e deben hacerlo á toda costa; pues/nosotros repasaremos el Quarrey, y dho Riquelme vá encargado de repasar el Uruguay por aq.' destino, desde donde debemos auxiliarnos reciprocara." hasta reunirnos sobre el paso de Sta. Maria don de se halla el campara.' de ellos.
V. segun mis anteriores ya debe hallarse igualmente prevenido para pasar por ese destino,y  sosprehender ó atacar la gente de San Borja. Para ello ya he dicho á V. q.° reuna toda la gente q.° pueda, y  elija  aq."'  puntos,q.` le parescan mas conv.'°` tanto p." repasar el Rio como para asegurar un resultado  favorable.
/En  conseq.'' disponga V. q.` Miño [capitão Manuel Miño, espanhol republicano]  con su gente,  y demas,q.` pueda reunir repase igualmente el Uruguay pol Concepcion ó donde á V. mejor le paresca. Lo q.` interesa es q." señalado el dia y dada la ora no haya un obstaculo solo p."q." se pierda la empresa de repasar el Uruguay;  estando allí ya es preciso internarse, y abansar lo posible con arreglo, á q. nosotros debemos avansar igualm." por este lado.
Cuide V. mucho agarrar toda la cavallada,q.` se pueda, p." facilitar las marchas. Yo/ no encargo á V. mas q. el asegurar el primer golpe, y mucho mas si se puede por sospresa.
Para ello guarde V el  secreto posible impidiendo q. nadie pase al otro lado, y tomamdo todas las precauciones p."q.' ellos no puedan saberlo.
En lo demas constancia, y esfuerzo,q. este es el ultimo golpe q.e vá á coronar nrós trabajos y el triunfo del a Livertad.
Yo ya estoy moviendo las tropas sobre la Frontera, á donde pienso marchar en brebe p." convinar las dispocisiones, y entonces dar la señal de ataque en todos los puntos.
Saludo á V. con todo mi afecto. Purifica"" 15 Julio 1816
Jose Artigas

 (passa quase um mês)

13/8 – 2300H – Joaquim Xavier CURADO, em RIO PARDO, recebe informação do TenCor Joaquim Mariano Galvão (de Moura) (enviado pelo brigadeiro Alvares a Missões) de que os orientais pretendem atacar Missões e outros pontos da fronteira.
14/8 – 1200H – CURADO marcha de RIO PARDO para IBIRAPUITÃ. Apenas ele, o ajudante de campo e um cargueiro? Chega no dia 21/8

21/8 – General Curado chega a IBIRIPUITÃ.

25/8 – PURIFICACION: Artigas exorta Andresito a avançar para a fronteira, passar o Uruguai e atacar S. Borja e iniciar hostilidades com os portugueses.

1/9 – ARERUNGUÁ: Artigas informa Andresito que os portugueses entraram em CERRO LARGO. Que comece mal possa que ele próprio iniciará em breve.

(...)

12/9 – ANDRESITO atravessa o rio URUGUAI no Passo de ITAQUI, “arrollando” a guarda portuguesa em S. João Velho. (cruzamento de EMEx, 1933 + dic bat brasileiras)

Gorgonio Aguiar (11/10): Este con su Divicion repasó el [........] el 12 del pp:' este dia forsó la guardia portuguesa q. estaba en la costa bien atrincherada. A pesar de su fortificacion fue asaltada y pasados a Cuchillo 87 hombres q  havia,  en  este dia  fue erido el Cap.  Miño un Then.'e sinco sold.s y tres muertos por otra parte.

16/9 – COMBATE DO RINCÃO DE LA CRUZ. Destacamento português de S. Borja (c. 300), Cap. Ferreira Braga, derrotado por Andresito, em marcha para S. Borja, após atravessar o rio uruguai.

Gorgonio Aguiar (11/10): El 16 se le presentaron 200 portugueses q. destroso al momento haviendoles muerto catorse y el resto disparado a S. Borja.

16/9 – S. BORJA: O Padre José Paim Coelho de Souza testemunha o pânico na via ameaçada por Andresito:

Era o dia 16 de setembro de 1816. Olhava aquilo tudo com amargura, para o pequeno povoado e todos fugiam em desesperada corrida, deixando para trás tudo o que haviam construído. “Deus não nos desamparou, apenas se ocupava com a acomodação do futuro”. Ali ficou, naquele dezesseis de setembro, o nosso coração, enterrado nas margens do Inhanduí, Nunca mais lá choraríamos nossa terrinha. Fomos fugindo pelo campo a fora, sem saber para aonde ir e nem aonde chegar. Tudo se turvou naquele início de primavera tristonha. (1823, Potoko, p. 55)

Em 15 de julho, Artigas pretendia avançar simultaneamente em Missões e na fronteira do Quaraí. 
A 25 de agosto, dá ordens a Andresito que avance sobre São Borja e que ele próprio iniciaria ofensiva em breve, informando-o no 1.º de setembro que os portugueses já haviam entrado em território oriental, no Cerro Largo. Obedecendo às ordens, André Guatuçari passa o rio Uruguai no passo de Itaqui a 12 de setembro, arrolando a guarda portuguesa em São João Velho, dando assim início à invasão das missões orientais, perdidas em 1806, há apenas 10 anos atrás. 
Quatro dias depois, Andresito desbarata um destacamento português de cerca de 300 elementos vindos de São Borja, comandado pelo capitão Ferreira Braga. A ação fica conhecida como o combate de Rincão de La Cruz.

20/9 – SOTELO começa a vadear o rio uruguai na altura do IBICUI, demorando até ao dia seguinte, por não ter conseguido fazer atravessar a cavalhada (Yusto Negros). 

21/9 –MADRUGADA: ANDRESITO chega a S. BORJA e inícia o SÍTIO.
21/9 – Ação de ABREU sobre SOTELO. Passo do rio Uruguai, defronte da cidade de YAPEYÚ. 5 esq Cav (1 da legião, 1 de Dragões, 1 de Milicias do Rio Pardo, 1 de milicias de Entre-Rios e 1 de milicias Guaranis.) = 513 praças. SOTELO já tinha passado o rio, “e estavam acampadas sobre a margem esquerda, protegendo o desembarque do resto”. 21/9 – 1.ª Tentativa de Sotelo rechaçada por ABREU.

[22/9 - AÇÃO DE SANTA ANNA]

23/9 - Justo Yegros a Andrés Artigas. Le entera de un encuentro que ha tenido  con el enemigo en momentos en que se aprestaba a pasar el IBICUY en los corsarios con la tropa del Comandante Pantaleón Sotelo.
Dice haber llegado al Pueblo de la Cruz, donde se halla a la espera de la reparación de un falucho averiado en la acción antes citada, para salir a reunírsele muy en breve:

[Pueblo de la Cruz, setiembre 23 de 1816.]

Con estafecha noticio a VS. q.e en el momento q.e me reuní con el comandante D. Pantaleon Sotelo para pasar su tropa delotro lado lo verificamos con los corsarios por el arroyo del vicuy el día veinte del q. gira y en virtud de no haver concluido deparar un corto trozo de Cavallada, tubimos q.e aguardar el día Siguiente, 

/ luego q.e se concluyo dicho trabajo y q.e nos pusimos en franquia se nos presentaron los Enemigos en el mismo paso con dos piezas de Tren del Calibre de a 4, luego q.e estos tomaron el monte principiaron a dirijir sus fuegos de cañon a los Buques y tropa q.e se hallaban deste lado; 
/ inmediatamente determiné se hiciera safarrancho abordo y rompi el fuego con los corsarios asta tirarles noche cañonasos contestandome ellos con seis deBala raza; en nuestra Gente no se esperimento ninguna desgracia y al ber el  fuego de los Enemigos no sehoia mas voz q. era el de mueran los tiranos q. nos intentan oprimir.
/ Seguidamente determiné salieran los Buques fuera del arroyo del Bicuy para lo qual nos habian preparado nuebamente una Embozcada de Cavalleria a esperar nos aproximaramos a la Costa para lograrnos, esta intencion nunca les surtió Efecto alguno pues con motivo de hir siempre una canoa armada con un cañon a labanguardia fueron descubiertos pues rompieron un fuego vivo afucileria y la canoa les correspondió con un cañonazo ametralla; 
/bisto esto trate de entrar por un pequeño arroyo q. está citua/do enla misma arroyo delaBicuy por donde pude  conseguir el salir con los Buques ybolber a reunirme con D. Pantaleon Sotelo.
Yo he llegado ayer veinte y dos al Pueblo dela Cruz a las tres menos quarto a la mañana en donde mehallo componiendo el falucho q.e enteramente esta haciendo agua luego q.° se componga q.° sera muy brebe Sigo ni¡ precipitado Biage a Donde VS. se halla.

Saludo a VS. contodo mi afecto Pueblo dela Cruz 23, de Sepbre de 1816.
Justo Yegros

24/9 – S. BORJA: (4.º dia de sítio) Andrés Artigas al General de las tropas de San Borja,  Francisco das Chagas Santos. Intima la rendición de la plaza en el término de tres horas.

24/9 – TOURO PASSO:  Em carta a Andresito, Berdún indica que Abreu passou o Ibirocaí/Ibicuí (?) (QUIRAOCAY), com toda a sua gente. [Abreu passa o Ibicuí a 26, em dois dias] – informação de locais.

25/9 - S. BORJA: (5.º dia de sítio) Andrés Artigas al General de las tropas de San Borja. Le exige la rendición de la placa en el término de dos horas y la entrega del último pueblo que le falta, pues pertenece a los  naturales de  Misiones, que les fue arrebatado en el año 1801 y a ellos corresponde el derecho de gobernarlo.

25/9 – Pueblo de la Cruz. Justo Yegros a Andrés Artigas informando-o que os “bichadores” de Sotelo descobriram 2 peças de calibre 6, e que as queria passar ao povo de Santa Cruz.

26/9 – ABREU passa o rio IBICUÍ, demorando dois dias:
“Tendo no dia 26 do que espirou passado o IBICUY (honde se empregarão dous dias por faltarem todos os recursos, e pelas muitas agoas que inundavão) e sabendo que na sua margem direita [norte] andava huma Partida de Indios em saque, e ja possuidora de duas Carretas de effeitos, de hum Estanciero,  fiz avanzar a guarda que flanqueava o lado  direito da Divizão Comandada pelo Tenente Floriano dos Santos do Esquadrão d'Entre Rios, e este encontrandoa a destruirlo matando oito aprezionando dez  mulheres, e somente fugindo hum.  
/ No mesmo dia vindose reunir a Divizão o Cabo Ribeiro com huma Partida de quarenta Milicianos, e Paizanos encontrou outra dos Inimigos superior em n.º entre as pontas do Arroio YACUHY destinada a conduzir gado para os que cercavão S. BORJA, e batendoa a pos em completa fuga com perda de cinco.”

27/9 – ABREU estava sobre o rio ITUPARAÍ. Bate uma partida oriental de 200 homens, de SOTELO:
“No dia 27 havendo os flanqueadores aprendido hum Bombeiro nas immediaçoens, do TUPARAHY, deste soube que infestavão aqueles lugares 200 Insurgentes, os mais avançados de SOTEL Comandante do reforço do Sitio (a quem dezorganizei a marcha no Passo de Santa Maria no Ibiquy [21/9] ) e destinando o Esquadrão de Dragoens para os bater, este medindo de mais perto, as suas forças os entreteve athé que foi reforçado, com mais cavalaria, e as puzerão em derrota matando veinte quatro e despersando o resto sem o menor prejuizo dos nossos.”

28/9 – (8.º dia de sítio) Assalto falhado a S. Borja. 10 peças com metralha fazem grande dano aos atacantes, além da fuzilaria portuguesa nos muros da horta.

Andresito terá decerto sabido por Sotelo que uma força significativa de portugueses estava a sul, pelo que o segundo assalto marcado para este dia, era o tudo ou nada do esforço federal naquela área.

Abreu conseguiu chegar mesmo no momento chave, apesar do atraso na transposição do Ibicuí, na fase inicial dos movimentos da sua coluna. 

Encontrou pela manhã cedo as forças federais divididas ao meio defronte S. Borja: 700 que estavam junto à vila, e 800 permaneciam num serro a alguma distância. José de Abreu imediatamente explorou a situação, formando uma coluna de ataque e enviando o capitão Romão de Sousa e um esquadrão de Entre Rios atacar a cavalaria da ala direita inimiga, e cortar a comunicação entre as duas metades das forças de Andresito.

Abreu notou que quanto mais a coluna portuguesa se aproximava da linha federal, mais esta se dispersava, “e que com marchas retrógadas ora compunha pequenas massas ora debandara”, com fracas tentativas de penetrar os flancos portugueses com a sua cavalaria. 
Nesse momento, Abreu ordenou um ataque em detalhe, enviando a infantaria da Legião de S. Paulo em duas partes (eram 117 na coluna), comandadas pelos capitães Joaquim da Silveira Leite e José Joaquim Machado de Oliveira, ocupar o primeiro pomar ao centro da linha federal, onde a infantaria se havia emboscado contra os portugueses. 
Disparando 91 balas, assim o informa especificamente Abreu na sua parte da ação cinco dias depois, a infantaria de São Paulo cumpre a sua missão. 

Tomado o pomar, e lá colocadas as duas peças de calibre 3 da artilharia da mesma legião, estas puderam varrer pequenas massas de soldados orientais quando estas se formavam, permitindo ao esquadrão de cavalaria, também da Legião de S. Paulo, carregar decidamente e tomar uma peça inimiga, o que concluiu a derrota do inimigo e a sua fuga.


3/10 – (13.º e último dia de sítio) Segundo assalto oriental marcado, após ligação de Sotelo a Andresito.
3/10 – MADRUGADA: Abreu chega a S. Borja:

Finalmente no dia 3 do que corre aproximandome em distancia de meia legoa no sitiado assomou o Inimigo n'huma altura que fica por detraz do mesmo em N.º de 800 homens, e chamandonos para aquella parte com huma continuada fuzilaria dispuz a Divizão em Ordem de Ataque em quanto avançava hum Esquadrão d'Entre Rios Comandada pelo Tenente Romão de Souza a reprimilo, e corta lhe a comunicação que tinha pelo flanco esquerdo com o resto do Exercito, composto de 700  Insurgentes, porem notando que quanto mais nos aproximavamos mais se despersava, e que com marchas retrogadas ora compunha pequenas massas óra debandara, e com pequenas escramussas pertendendo penetrar os nossos flancos / flancos;
/ordenei em detalhe os differentes Corpos apropriando os ao terreno que nos offerecião=  
A Infantaria da Legião de São Paulo dividida em duas partes, e Comandadas pelo Capitaens Silveira [Joaquim da Silveira Leite] e Machado [José Joaquim Machado de Oliveira] avançou a occupar dous pomares que servião de apoio aos Insurgentes e que na sua retirada parecião limpos. Noventa e huma ballas d'aquela Arma fizerão o mais promptó effeito, e que éra de esperar de hum Corpo que com bravura e intrepidez entranhouse náquelles lugares que servião de emboscada aos Inimigos que em numero de 91 esperavão occazião propria de operarem.
A Artilharia e Cavalaria do mesmo Corpo Comandadas pelos Tenentes Luz [2.º Ten José Joaquim da Luz] e Castro [José de Castro do Canto e Mello], depois de terem protegido a marcha da Infantaria, e depois de acolocarem nos Pomares; a primeira em lugar oportuno começou as suas cargas de metralha dirigidas as pequenas Massas quando se formarão, e varrendoas decididamente e em muito prejuizo dos contrarios, deo pronta occazião a segunda para com todo o pezo, e com mais pronta velocidade tomar hua boca de fogo, e concluir a derrota total dos inimigos.  
O Esquadrão de Dragoens do Comando do Capitão Prestes [José de Paula Prestes] disposto por sua ordem no centro tive pouco que avançar porem teve occazião de repremir o Choque de huma Escramuça com que intentava o inimigo baternos pela retagoarda. 
O Corpo dos Naturaes Lanceiros formando sempre a vangoarda da Divizão nesta acção teve de occupar o terreno em frente do flanco direito, e na sua Orden dispersa de ataque, e em correrias singelas destruio os mais dispersos do Inimigo, e servio de apoio aquelle flanco. 
Não quiz empenhar todas as forças da Divizão neste Choque, e fícou como de reserva, e observacão o Esquadrão de Milicias do Rio Pardo, e a Guarda da retaguarda composta de cincoenta homes alem da que guardava a munição e bagagem tudo debaixo das dispoziçoens do Capitão Corte Real para em cazo de percizão aplicalos as circunstancias que occorressem.  

He incrivel que hum lnimigo indisciplinado se bem que feroz sem ordem, e posto em confuzão se arrostasse por espaço de duas horas na persuacão de fazer balancear as nossas Armas: elle pertendeo em vão huma arrebatada fuga para todos os lados, foi a concluzão da victoria. 
Os poucos que restavão dos que atacarnos unindose aquella parte do Exercito que acaba de Sitiar o Povo, passando o com tanta rapidez, e dezordem que deixarão nos huma boca de fogo e huma Carreta com alguma munição.  
Esta retirada praticada com tanta violencia, e em tempo que ainda se aplicarão os Corpos que atacavão a total extinção de alguns dispersos, só foi observada pelo Corpo de reserva que nada podia operar pela sensivel desproporção de forças, por em quando as circunstancias o permitirão destaquei os Esquadroens de Dragoens, e D'Entre Rios com toda a reserva, e logo apoz o resto da Divizão para picarlhe a retaguarda, o que foi sem fruto por cauza da grande distancia que avião piffiado na nossa vanguarda, e porque o supradito banhado impidio a velocidade que se devia praticar naquelle cazo.  

Tendo marchado para o Povo sube que outra parte dos Inimigos em n." de 700 se encaminhava para o Paço do Uruguai no intento de o passar, immediatamente dirigí para aquelle lugar a Infantaria protegida pelo Esquadrão de Milicias do Rio Pardo com as duas bocas de fogo; foi muito a tempo esta avançada pois encontrando ainda o inimigo que principiava a passar pelo fogo de Artilharia assestada d'outro lado, e por huma das barcas Canhoneiras que em Yapejú serviolhes para igual effeito; bateo os completamente, e os apertou contra o Rio de tal forma que aquelles que não erão alvos do fuzil hião perecer nas suas agoas= 
A Artilharia dirigindo as suas pontarias com tanto acerto meteo ao fundo hua canóa com Armamento, e gente, e rompeo a bandeira da Canhoneira. O resto dos Inimigos que ficou deste lado procurando salvar se no mato foi batido pela Infantaria, e obrigado com mais rapidez a lançar se ao Rio, aquelles que não estavão ao alcance do seu peto. 
Havendose retirado esta gente, e depois de estar mas descansada fiz marchar os Esquadroens de Dragoens, e de Milicias do Rio Pardo, e com alguns Milicianos desta Provincia Comandados pelo Capitão Prestes em seguimento da Colluna Inimiga que se avia retirado pelo banhado depois de acossada pelo primeiro Ataque.

5/10 – Abreu marcha  com  toda  a  Divizão, (...)
6/10 – 
“chegando aquelle lugar nada mais encontrei senão 620 cavallos, que ainda pertendião passar, e os recentes signaes de hua dezesperada fuga pelo Uruguai; Tendo, assim ultimado a Comissão de que por V S.° fui encarregado, nao só de romper o assedio que apertava este Povo como de limpar esta Provincia dos Insurgentes que a infestavão, e que com ligeiros passos pertendião escravizalla em titulo de liberdade, tendo em primeiro lugar de tender as Graças, ao Altissimo como primeiro movel de todo o bem, e em segundo a valentia, e hábil Officialidade, e mais individuos desta Divizão que com a mais heroica intrepidez, e coragem repelivão o Inimigo, e o fizerão conhecer em poucos momentos que o pezo das Armas Portuguesas nao fraquea. Sim III.mo Sñr nao teve a prezença de 20 Inimigos força bastante para facer vacilar a sua valencia e patriotismo.

Elles forão batidos constantemente, e de certo mitade daquelle numero pagou com a vida os seus insultos, e devastaçoens. Dous mil e tantos cavallos ficarão em nosso poder assim como huma grande quantidade de Armamentos duas bocas de fogo de Cal-3, e 6 alguna monição de guerra, todas as montarias da Colluna que passando o Uruguai no Passo deste POVO, toda a grande e interessante correspondencia entre os dous Artigas, daqual parte ja enviei a S. Ex.°, e 74 Prezioneiros de ambos os Sexos incluxos hum Capitão hum Alferes, e 4 Negros.”

8/10 – S. Borja. Carta de José de ABREU ao brigadeiro Thomaz  da Costa Correa Rabelo e Silva, com relatório da ações pós 21/9.

[19/10 - AÇÃO DE IBIRAOCAI]

Sem comentários:

Publicar um comentário