sábado, 16 de setembro de 2017

Excerpto: Raul Brandão, apresentado por Vitorino Nemésio


RAUL BRANDÃO
(1867-1930)

Por Vitorino Nemésio

Raul Brandão é dos maiores prosadores estreados no fim do século XIX e um dos temperamentos mais originais que se exprimiram na nossa língua. Herdeiro do estilo transparente de Eça de Queirós e criado na sua luminosa ironia, excedeu-o no sentido grave da vida e na agudeza psicológica que explora o subconsciente.[...]
A História é outro campo de trabalho preferido por Raul Brandão, sobretudo as épocas de revolução e de crise – Invasões Francesas, Liberalismo, República –, em que a intriga domina o cenário político e em que a ordem social subvertida permite que as paixões venham à-de-cima e que a comparsaria histórica irrompa pelo palco reservado aos grandes personagens. Mamórias, cartas, papéis íntimos, o recheio das casas, a papelada burocrática e as ordens regimentais, de tudo Brandão extrai um pormenor significativo, uma bagatela que tiraniza os homens nas suas manias e ingenuidades e as faz triunfar sobre os interesses gerais e a própria razão de Estado. 
El-Rei Junot é uma espécie de 1812 em prosa, sinfonia triunfal em ritmos de paródia: as divisões desmanteladas mas ainda impetuosas de Junot atravessando a península, o sonho de Napoleão caldeando-se com o pânico e o grotesco de uma população perturbada no seu longo sono histórico. A marcha das tropas, as étapes nos descampados, a fuga da populaça desamparada e infeliz, tudo é dado numa atmosfera de pólvora e de pó, em que o humano triunfa pelo sonho e pela dor da «farsa» trágica. A pintura da corte de Queluz e da Lisboa, dos desembargadores e dos frades, embora feita de elementos heterogéneos  e violentados pela preocupação do pitoresco e do patético, é larga e impressiva. E a seriedade da fibra nacional ferida resulta mais nítida dos lances anárquicos do conflito. 
A Conspiração de Gomes Freire dá o lado íntimo, biogratativo, de transição do velho regime para o novo. Gomes Freire é desenhado como acentureiro, patriota, letrado e amoroso. A sombra de Matilde de Melo («felizmente há luar») suaviza o calvário do general napoleónico, mação e conspirador, que paga na forca o seu desprendimento e as suas leviandades. 
No prefácio das Memórias do Coronel Owen (O Cerco do Porto) e nas suas próprias Memórias (3 vols.), Raul Brandão fecha este seu ciclo de petit histoire, espécie de diário de um povo que toma consciência dos tempos modernos através da dissolução e da reforma da sua intimidade histórica. As Memórias de Brandão correspondem ao fim da Monarquia e aos primeiros anos da república, e devem ser lidas com a prevenção de quem vai ouvir o testemunho suspeito mas psicologicamente precioso de um espectador interessado apenas pelo lado mórbido do drama. A verdade que delas sai é psicológica, atmosférica – não é histórica. Os prefácios que Brandão escreve para elas reconciliam-no, pelo seu ar de mensagem ou de visão do mundo, com a pureza e seriedade da alma e do povo português.

Vitorino Nemésio, Portugal, a Terra e o Homem: Antologia de Textos de Escritores dos Séculos XIX-XX, Ed. Fund. Calouste Gulbenkian, Viseu, 1978. (pp. 85-87)

Imagem
- Fotografia de Raul Brandão, Wikicommons

Sem comentários:

Publicar um comentário